Conheça mais sobre vulnerabilidade

Conheça mais sobre vulnerabilidade

Você já ouviu falar da Brené Brown?

É a escritora do livro “A Coragem de ser Imperfeito”. O nome já é 10, né?

Quero deixar aqui alguns aprendizados que foram muito importantes para que eu entendesse como poderia mudar comportamentos e atitudes que eu tinha e não me deixavam nada satisfeita.

Até porque, quando não conhecemos a origem ou a verdade sobre alguma coisa, é bem possível que venhamos a sofrer por conta daquilo.

A primeira questão que me fez pensar foi “Como a gente se define”. Será que me deixo definir pelas roupas que uso, pelo carro que tenho ou por alguma atitude que não foi muito legal, pela faculdade que eu fiz ou coisas assim. Ela esclarece bem que não são as atitudes ou as coisas que eu tenho que me definem. Não é porque eu não sei alguma coisa, que necessariamente eu sou ignorante ou menos que os outros. Eu não sei aquilo, mas posso aprender se eu quiser. Não sei agora, mas amanhã posso buscar saber.

10 scaled - Conheça mais sobre vulnerabilidade

Tem muito mais a ver com quem de fato eu sou, qual é a minha essência, quais são os meus valores e não com o que as pessoas pensam de mim.

Eu lembro que quando eu era criança, a minha mãe sempre falava assim, quando eu fazia algo que não era legal: Eu estou brava com o que você fez e não contigo! E ainda assim, com todo o cuidado que ela teve, eu trazia e trago ainda algumas coisas que estou trabalhando nesse sentido. E que posso melhorar muito mais. Mas é legal saber que não estamos sozinhos nessa… podemos nos aliviar desse peso desnecessário. Pois, não é o que é externo que nos define.

Outra questão é o perfeccionismo!

Que loucura… é um caminho árduo e sem fim!

Tenho certeza que vocês já ouviram a expressão e eu mesma já citei isso aqui: “Feito é melhor que perfeito”.

E agora, a prática disso para quem é extremamente exigente? Quantos projetos deixamos de lado por nunca acharmos que está perfeito para ser divulgado. Ou quanta coisa, nem damos crédito, por acharmos que não temos capacidade de executar, e assim vai…

O que na verdade acontece é que temos medo ou receio de sermos julgados com severidade e envergonhados por conta disso. É a insegurança que precisa ser deixada de lado e não os projetos. Em toda a história de sucesso vemos uma luta travada para vencer em primeiro lugar a insegurança, o medo, a rejeição, a falta de apoio, o trauma e quem ousa fazer isso vai além. Na verdade, somos nós os nossos maiores sabotadores.

“A Coragem de ser Imperfeito”

Outra questão que me fez e faz refletir sempre, é quais são as emoções que estão por traz das minhas atitudes e ações.

Não podemos esquecer que somos seres duais, luz e sombra. Razão e emoção. E a emoção sempre fala muito forte em nós. Então, ficar alerta em relação a isso é muito saudável.

Temos vulnerabilidades, mas elas não podem ser encaradas como fraquezas e sim como pontos de melhoria. Não precisamos esconder as nossas vulnerabilidades, mas encará-las e tomar ações para vencê-las. Por exemplo, se sou uma pessoa explosiva com minhas respostas a questões que me contrariam. Normalmente é porque não tenho controle sobre aquela questão. Então, ao invés de responder por impulso e normalmente magoar ou machucar a pessoa que ocasionou aquilo. Posso parar, pensar e responder com calma. Vamos precisar falar sobre isso depois, porque preciso pensar mais sobre esse assunto. Você não precisa responder a tudo no calor da emoção. É possível que quando isso acontece, a sequência é o arrependimento por ter sido grosseira ou rude demais. Então, pensar nas emoções que estão por traz das ações é muito importante. Nesse caso, por exemplo, é a necessidade de controle. Mas quem é que pode controlar tudo e todos o tempo inteiro? E qual o sentido disso? Você quer ser controlada por alguém o tempo inteiro? Pense um pouco mais sobre as emoções que embasam suas ações. Febre não tem cura, é somente um sintoma de uma doença! A doença é que precisa ser tratada e não a febre.

Agora o que a Brené fala sobre: Apreciar a beleza das falhas… Isso é bem difícil num primeiro momento.

Até porque a gente imagina que existem pessoas que tem vidas perfeitas, ou mesmo elas são perfeitas. Isso não é verdade! Ninguém tem uma vida ou é perfeito. Se assim fosse, as pessoas não beberiam tanto, não usariam drogas, não se casariam várias vezes, não adoeceriam nunca. Não perderiam seus trabalhos, não quebrariam suas empresas, enfim…

Como você encara as suas vulnerabilidade?

O que ela fala é que precisamos encarar as falhas com leveza, serenidade porque todos falhamos. Não podemos ser tão severos conosco mesmos. Tá tudo bem! Errar faz parte do aprendizado. Os erros e falhas são o combustível para nos fazer ir além, crescer e avançar.

Ela fala isso no livro: apreciar não é achar bonito, mas aceitar com naturalidade. Somos humanos e precisamos de paz e tranquilidade. Por conta disso as falhas precisam ser encaradas somente como falhas e não como sentenças.

Ela diz também, que precisamos conversar conosco mesmos como fazemos quando conversamos com uma amiga bem querida, com amor, com carinho e respeito.

De coração eu espero que tenha feito sentido pra você!

Que não fique somente em mais um conhecimento. Pratique e avance!

Juntos somos mais fortes e juntos com Deus somos invencíveis!

Andrea Dusik - Conheça mais sobre vulnerabilidade

Obs: Conheça mais sobre vulnerabilidade e aprenda com práticas diárias e outros conteúdos interessantes sobre autoconhecimento e gestão emociona. Conheça o App EuEmBusca clicando AQUI!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *